CARTA DE COMPROMISSO POLÍTICO COM A REGIÃO DOS AMARAIS

Superando necessidades e carências em doze propostas

1. TT33333

Nós, população, lideranças, funcionários das organizações sociais, servidores e funcionários das instituições educacionais, da saúde e da assistência, que vivemos, moramos e trabalhamos na região dos Amarais, formado pelos bairros do Jardim São Marcos, Jardim Campineiro, Vila Esperança, Recanto Fortuna, Jardim Santa Mônica, Campinho, além dos bairros da cercania como Jardim Mirassol, Vila Olímpia, San Martin e CDHU, abaixo assinados, viemos através deste propor o compromisso dos candidatos a vereadores e ao cargo de prefeito de Campinas com as necessidades da região abaixo relacionadas em ordem de prioridade com propostas de melhoria, conforme pesquisa feita na região:

  1. Temos dois Centros de Saúde na região, responsáveis pelo atendimento básico de saúde, mas a quantidade de profissionais (médicos, médicos especialistas, dentistas, auxiliares de saúde bucal, psicólogos, agentes de saúde, enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem etc.) é pouca para a demanda. Houve servidores aposentados e/ou que pediram exoneração que não foram repostos, além disto a população no território por qual são responsáveis aumentou e o número de profissionais não foi revisto;
  2. Relacionado ao primeiro item desta lista vem o segundo, que é a construção na região de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h), que atende urgência e emergência. Isto mostra que a demanda por saúde é uma preocupação importante da região, lembrando que neste ano houve um morador que precisou do atendimento de emergência e foi buscá-lo em uma unidade pública mais próxima, na cidade de Sumaré, infelizmente, vindo a falecer, a família além dos custos do enterro teve que arcar com os custos de transporte do corpo;
  3. A população, para além das políticas de assistência a vulnerabilidades, precisa também de políticas para criar oportunidades de emprego e renda, como bancos populares; cursos de formação profissional na região de nível básico, técnico e universitário, podendo trazer para o espaço ESTAÇÃO cidadania e cultura Thais Fernanda Ribeiro cursos de preparação profissional; descentralizar o atendimento do Centro Público de Apoio ao Trabalhador – CPAT; políticas de incentivo para que as empresas na região contratem moradores da região; incentivo para arte e de artesanato, promoção de feiras populares, entre outras ações possíveis para o poder público;
  4. A região, apesar de contar com empresas, indústrias e comércios, é eminentemente residencial, com muitas famílias que moram há mais de 10, 20, 30 anos, e os trabalhadores, estudantes e população em geral se deslocam utilizando o transporte público, por isso é necessário ampliar as linhas de ônibus que circula nos bairros e aumentar o número destes nas horas de pico, para evitar longas esperas e para que a população não seja espremida, considerando que o preço pago pela passagem é caro, comparativamente a outras cidades; 
  5. A necessidade de descartar resíduos é um problema na região, percebido no acúmulo destes em terrenos próximos à rodovia e a margem do ribeirão quilombo, seja de restos de construção, mobiliários, galhos de árvores, entre outros materiais que não são recolhidos pela coleta regular de lixo domiciliar. Por esta razão se faz importante a instalação de um ecoponto (local onde é destinado a receber resíduos gerados pela população, como móveis velhos, entulhos etc.) e apoio às cooperativas de reciclagem. Este fato ainda agrava os números de pessoas afetadas pela dengue no território todo ano;
  6. Uma região residencial, com famílias que moram há muito tempo, têm crianças, adultos e idosos que precisam de espaços de lazer, esporte e cultura. Uma ausência percebida fisicamente em alguns bairros pela inexistência de praças e parques para as crianças, de espaços de convivência para idosos e de locais para caminhada, entre outras possibilidades. Já em outros bairros da região, apesar de haver o espaço físico, falta a programação de eventos, organização de atividades e publicação do que existe para a comunidade. Criar e manter áreas de lazer, cultura e esportes, como praças, parques, quadras de esporte e áreas de convivência é necessário;
  7. A Vila Esperança, iniciado como um conjunto habitacional para receber famílias que viviam em área de risco, já teve muitas vitórias, como asfaltamento, os Centros de Educação Infantil, Escola do Estado, praça, estação de tratamento de esgoto e a ESTAÇÃO cidadania e cultura Thais Fernanda Ribeiro, conquistas, porém, que servem a toda região. Mas, a população gostaria de um Centro de Saúde na Vila Esperança, desmembrando e desafogando o atendimento que ocorre no CS São Marcos;
  8. A construção de uma creche ou ampliação das existentes para atender mais 80 crianças de zero a três anos. Este número de vagas necessárias surgiu na relação de demandas das 04 unidades públicas de educação infantil da região retirado do site da prefeitura no dia 18/09/2020 (integre-master.ima.sp.gov.br/integre/web/cons_escola.php). Atualmente, na legislação educacional, as vagas nos centros de educação infantil não é mais só um direito da mãe trabalhadora, mas é direito das crianças e, neste caso, temos 80 crianças que não estão tendo seus direitos respeitados. Relembrando ainda que em 2007, após muita movimentação da comunidade, a prefeitura comprou um terreno com dinheiro público na rua Francisco Araújo para construção de unidade escolar e até hoje não fizeram nada;
  9. A violência é um tema recorrente na região, agressão contra mulheres e crianças, feminicídios, relacionamentos abusivos, exploração sexual infantil, assaltos nos pontos de ônibus e nas casas, tráfico e consumo de drogas a luz do dia e, somada a estas situações, os centros de saúde e organizações sociais este ano e ano passado foram invadidos e vandalizados, trazendo retrocesso nas conquistas para melhorar o atendimento da população. Neste contexto precisa ser repensado a política de segurança para fortalecer a população no território, pois a periferia também precisa de proteção e cuidado, assim algumas das ações possíveis para o poder público seria: reforçar o efetivo na região, com o cuidado para que os jovens não se tornem “vítimas” do policiamento; buscar programas que fortaleçam a população no cuidado de sua segurança como o Programa Vizinhança Solidária (PVS) da Polícia Militar; construir uma base do Conseg; implantar programas de combate à violência de gênero e a masculinidade tóxica; instituir programas de mediação com a justiça restaurativa; instalar um distrito de polícia, com delegacia das mulheres na região; estabelecer programas de  prevenção à dependência álcool e drogas e ampliar estratégias  de apoio e tratamento desta população; são ações possíveis para o enfrentamento da violência que penaliza a população.
  1. Até o presente momento se encontram em décimo lugar no levantamento realizado duas necessidades:
    1. Um pedaço dos 54 quilômetros do Ribeirão Quilombo corta quase todo o território da região dos Amarais, um curso d’água que já foi considerada o mais poluído da região metropolitana. Isso traz mal cheiro, constantes alagamentos e o dever de fazer a nossa parte para melhorar o ribeirão. Então, foi apontado a necessidade de revitaliza-lo, o que implica plantio de matas ciliares, desassoreamento, construção de reservatórios de contenção para evitar alagamentos nos períodos de chuva, fiscalização de despejos irregulares, dar continuidade ao PAC QUILOMBO, regularizando lotes a posse e término das obras. Afinal, para preservação é necessário considerar que nenhuma ação será efetiva se não levar em conta o bem-estar da comunidade. O curso d’água à beira das casas separa famílias e serviços da região, por isso as matas ciliares precisarão ter espaços para caminhada, para exercícios, passarelas, além das ações de conscientização promovidas pelos serviços existentes, com apoio de órgãos ambientais;
    2. Entre a década de 70 a 90 o “complexo São Marcos” já foi considerado um dos lugares mais vulneráveis do estado de São Paulo, deste tempo para cá muita coisa mudou, parte desta mudança é atribuída às lutas sociais, conselhos, políticas públicas, igrejas e organizações sociais que atuam na região. Primavera, Vedruna, ABC, Direito de Ser, UCF, M.A.E. Maria Rosa e CEAK são algumas das organizações sociais que ainda permanecem no território para promover o bem-estar de crianças, jovens, idosos e pessoas com deficiência, em grande parte ainda em situações de vulnerabilidade. Entretanto, os recursos municipais repassados da assistência social a estas instituições, que são vinculados ao SUAS, é pequeno considerando os gastos realizados, por isso há a necessidade de aumentar o repasse;
  2. Em décimo primeiro lugar foram identificadas a necessidade de pensar o trânsito e a regularização de casas em ocupações:
    • . A popularização dos automóveis nos bairros mais periféricos ocorreu também na região dos Amarais, se isso mostra que a situação econômica de muitas pessoas melhorou ao conseguir adquirir seu automóvel, trouxe um grande problema, pois com ruas estreitas de duas mãos, carros estacionados nos dois lados e muita circulação, acaba trazendo muitos problemas, que poderiam ser resolvidos com a revisão do trânsito, sinalização e lombadas. Somado a isto outra questão a ser posta é que muitos não possuem carro e seu meio de locomoção ainda é a bicicleta, com elas vão para a escola, para o trabalho (muitos para o Ceasa), levam seus filhos para a creche, usam para o lazer, mas é claro que não há sinalização nenhuma de ciclovias. Este meio de transporte deveria ser incentivado, pois é ecológico, saudável e sustentável, sendo necessário implantar ciclovias;
  1. O bairro do São Marcos possuía diversas áreas de invasão, parte delas foi retirada quando a Vila Esperança foi construída, mas ainda há muitas moradias que existem por mais de 20, 30 e 40 anos, com famílias que convivem com a insegurança de ser proprietário de onde vivem por tanto tempo, estas casas precisam ser regularizadas para que a vida continue sem medo de serem retirados de seu lar. É necessário acelerar e terminar as obras do PAC Quilombo que contempla esta regularização;
  1. Promover ações culturais e de esportes (shows, campeonatos, ruas de lazer, desfiles, etc.) é a última demanda da região, pois não adianta ter uma estrutura como a da ESTAÇÃO cidadania e cultura Thais Fernanda Ribeiro (CEU Vila Esperança) sem ter uma programação de eventos e atividades no local, com programação de esportes, incentivo à economia solidária, teatro, cursos e shows. É necessário ocupar o espaço e torná-lo centro, movimentando-a com atividades de cultura, arte, educação e esporte em favor da comunidade. Ele precisa ser retomado, reinaugurado para estabelecê-lo de fato.

Se os bairros da região dos Amarais são de periferia a vida da população não precisa ser periférica, mas pode ser centro da ação política e comunitária para promover uma vida melhor, mais justa e igualitária, com a distribuição de benefícios sociais para todos, com equidade, com mais para quem tem menos. Para que frases como essas abaixo fiquem na memória apenas das lutas sociais que mudaram para melhor o lugar em que se vive:

O bairro não possui posto médico, escola ou creches, temos ônibus no bairro, mais é muito demorado o intervalo de um para o outro. Poderíamos ter mais opções de ônibus para melhorar o acesso para outro bairro para utilização do comércio, pois aqui não temos grandes mercados e lojas. ” 

Muito tráfico e desemprego

A falta de emprego, hoje tudo vc tem que ter experiência, se vc faz um curso pra exercer aquela profissão vc não consegue a vaga pq vc não tem experiência, acho que as empresas poderiam ensinar né dá uma oportunidade por isso que tem muita gente com diploma e exercendo outras profissões sem ser a que fez pois não tem a oportunidade, e no bairro poderia ter um algo familiar para agente poder levar nossa família algo cultural seria ótimo uma boa praça para termos um lazer gostoso ,se queremos ir em algum lugar assim temos que sair procurando .

No bairro tem muitas pessoas que vão trabalhar Santa Mônica e matão de bicicleta e precisava mesmo de uma ciclovia para facilitar o caminho deles. Precisa de praças para crianças e adultos irem brincar sair um pouco do vício de celular é tbm para termos mais diversão. Transporte público está precário em nosso bairro é de fazer vergonha.

Num país onde há muitas desigualdades, os mais pobres sofre, com falta de infraestrutura, sofre com drogas e violência onde cresce cada vez mais

Tudo que está pendente nesse bairro uma porcaria não tem nada de bom com esse córregos fede muito não tem nada de bm no Matão tem tudo mercado tem poucos e tbm enfia a faca de tão caro nunca vai pra frente isso muitos vão embora então é isso falei o que vale é o núcleo que as crianças que ajudam muito aí de nós sem o núcleo do resto vai ter que melhorar vamos ver essa Eleição ter alguém que presta pra melhorar eu vou votar não as pessoas do bairros quero votar cm gente nova que est ,entrando agora pois os vereadores, de bairro não faz nada tem que dar voto pra, quem sabe lutar por nós tem que mudar melhorar os bairros postinho que está sem médicos mal funciona.

Os bairros foram resultados de ocupação irregular, com pessoas sem posses que buscavam um espaço pra viver e morar. Por haver espaços com pobreza e miséria os serviços e infraestrutura são essenciais para garantir o direito a população

“Desde a minha infância vejo muitos jovens nas drogas e hj já adulta vejo os os jovens que vi crescendo nas drogas, posto de saúde sempre falta médicos e um posto de Polícia acho q seria ótimo pra inibir tanta vigilância e tráfico, acho que a escola tem um depreciação sem muitas qualidades e sem incentivos governamentais, a falta de emprego na nossa cidade e enorme existe uma empresa enorme no bairro empresa SUZANO onde os mesmos não aceitam moradores na região por conta da má fama que o bairro tem sendo q queria uma ótima oportunidade para os moradores que estão desempregados”

A população carece de opções de praças, lugar para poder caminhar, e a falta de emprego e renda traz desesperança para o povo.

Entendemos, como uma das pessoas que atendeu ao chamado para pensar a região, que “onde os moradores se envolvem, conversam, colocam suas ideias, debatem melhorias para seu bairro e cobram os seus eleitos, conseguem mais melhoria e infraestrutura para seu bairro. É preciso despertar” O despertar envolve em votar em quem se compromete com a região e suas necessidades, por isso o convite a conhecer nossas necessidades e se comprometer com ações para superá-las.

Campinas, 10 de novembro de 2020

Rede Abraço Amarais
Rede Intersetorial da Região dos Amarais
Lideranças Comunitárias da Região dos Amarais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s